Cordel Branco e Encarnado - Salgueiro 2012

Samba concorrente 03
Autor(es): Dudu Botelho, Tiãozinho do Salgueiro, Rodrigo Raposo, Anderson Benson, Luiz Pião

Salgueiro 2012 Cordel branco e encarnado
Povo arretado e trovador
Óxente! De repente chegou Salgueiro
Versando poesias de amor
De nobre aliança, herança
Encantaria cruzou o mar
Palavras riscam o céu, o oriente também é inspiração
Os leques de linda paixão
Se abrem pra gente versar

No forró do Virgulino, arrasta pé
Dança até o Conselheiro, à luz de Lampião
Põe o seu laço de fita, é bem mais bonita a Maria
A desfilar na Academia

Sertão afora
Tem mula sem cabeça, caipora
Lobisomem vá de retro
Não entendo pra que tanto rebuliço, isso...
Nem me apavora, me agarro a imagem de Nossa Senhora
Sou romeiro não é de hoje
Devoto de "Padim Padi Ciço"
Misturo zabumba, pandeiro
Cavaco e violeiro
Sensacional!
Versos do nordeste brasileiro
Que os poetas do Salgueiro transformam em carnaval

Meu samba embala a coroação
Em noite do Rio, Luar do Sertão
A nossa cultura a se encontrar
Em uma mistura singular
É literatura popular

Postar um comentário